Sabia que o terapeuta da fala também trabalha com recém-nascidos? Escrevemos para o portal Estrelas e Ouriços acerca das dificuldades de amamentação e como pode o terapeuta da fala ajudar nestas situações, tudo isto baseado num testemunho real.

A gravidez e o nascimento são momentos de transformação e que trazem consigo inúmeros desafios de adaptação da família e do bebé. Torna-se fundamental fomentar a interação mãe-bebé com inegáveis benefícios para a vinculação e evita um início tardio da amamentação.

O início da amamentação pode não ser fácil, e aqui com a bebé Madalena, de acordo com a mãe foi: ‘’uma desgraça. Foi logo à mama no recobro, mas só chorava, nada a consolava, nem a mama. O biberão foi introduzido quando perdeu o peso e não nos deixavam sair da maternidade sem que ela engordasse (…) demonstrou desde o primeiro dia muita dificuldade em mamar, com muitos episódios de engasgamento, bolsar. ’’

A Madalena foi observada pela terapeuta Marta após 3 semanas de nascimento e já não estava a ser alimentada através de leite materno e apesar da terapeuta, também conselheira em aleitamento materno, defender a amamentação exclusiva sempre que possível até aos 6 meses, naquele caso a decisão dos pais estava tomada e sugerir uma relactação não traria benefício mas antes uma enorme ansiedade.

Verificava-se que a Madalena não estava tranquila, estava em permanente estado de alerta e defensividade oral porque comer não era confortável para ela. Existiam na realidade alterações globais no tónus, sensibilidade global e, consequentemente, alterações nos reflexos orais, padrão de sucção e coordenação sucção-respiração-deglutição.

A hora da alimentação era uma situação de grande ansiedade, stress e sofrimento.

Mas afinal qual em que é que um terapeuta da fala pode ajudar nestas situações?

Para que a intervenção seja eficaz, é importante considerar e observar aquele bebé e família como um todo, recolhendo diversas informações e sobretudo observando.

Na intervenção, pais e terapeuta constituem uma equipa e é em equipa que são implementadas as modificações necessárias, sendo que muitas vezes são os próprios pais a executar as estratégias.

E assim foi possível transformar o momento da alimentação da Madalena num momento de satisfação que facilitou sem dúvida a transição para a alimentação complementar.

E quando nem tudo corre como planeado?

Bem, quando nem tudo corre como planeado há que ter em mente que os profisisonais de saúde estão lá para ajudar por isso não hesite em procurar ajuda.

Leia o artigo completo no Estrelas e Ouriços e se ficar com alguma dúvida, fale connosco. Temos todo o gosto em ajudar.

Receba os nossos artigos

Dados Pessoais:

Seleccione o(s) seu(s) interesse(s):

Os seus dados não serão transmitidos a terceiros