À procura da Voz Saudável!! (com questionário)

A doença de Parkinson
29/04/2017
Amamentação e fala: que relação?
29/04/2017

Sabe como está a sua voz? Responda ao questionário! (Terapeuta da Fala Soraia Ibrahim)

Artigo da Terapeuta da Fala Andreia Batista

A voz é o instrumento primordial que temos para comunicar. É com ela que expressamos, de uma forma mais simples e rápida, tudo aquilo que queremos, sentimos ou pensamos.

Este magnífico fenómeno ocorre na laringe, onde estão as pregas vocais, dispostas horizontalmente. Quando inspiramos, as pregas vocais afastam-se para deixar entrar o ar nos pulmões. Quando queremos falar, elas aproximam-se e o ar que vem dos pulmões transforma-se em ondas sonoras que depois vão ser moduladas na boca com a articulação da língua, dentes, lábios e palato mole, dando origem aos diversos sons da fala.

Em determinadas profissões, a voz apresenta-se como um importante instrumento de trabalho. Tal como um motorista precisa de aprender a conduzir para realizar a sua profissão, um profissional que necessite da voz também deveria saber como é que a deve utilizar para evitar “avarias”.

Devido ao fraco conhecimento da produção vocal e de orientações para manter a voz saudável surgem disfonias que, consoante o grau de incapacidade, podem pôr em risco a continuação numa determinada profissão. Para isso, os profissionais que necessitam de uma voz saudável devem ser orientados para hábitos de higiene vocal de forma a prevenir as disfonias. Também poderão fazer algum treino vocal, como por exemplo, ao nível da projeção da voz no espaço ou a sua coordenação com a respiração e a articulação.

São vários os fatores que contribuem para o aparecimento de disfonias:

– Uso incorreto e/ou abusivo da voz: falar muito alto, falar durante longos períodos sem pausas, falar em ambientes muito ruidosos, falar quando se está em esforço, falar durante más posturas ou em estados gripais, etc.;
– Fatores físicos e ambientais: a presença de ar condicionado, a poluição, poeira e ruído, a má acústica dos espaços, escassez de recursos para potenciar a voz, etc.;
– Fatores psicoemocionais: o stress pode influenciar a saúde vocal, bem como a saúde em geral;
– Fatores inerentes à pessoa: o grau de resistência vocal, a idade, o estado geral de saúde, a presença de alergias ou gripes, bem como a presença de respiração oral e alterações posturais.
Hábitos vocais inadequados: beber pouca água, fumar ou tossir e pigarrear de forma constante ou usar pastilhas de forma excessiva.

Conhecer todos estes fatores é fundamental para que se desenvolvam estratégias que visem a prevenção das disfonias. Uma voz saudável depende da saúde e harmonia do corpo que a carrega. Para isso, é importante seguir algumas orientações como:

Beba pelo menos dois litros de água ao longo do dia, a uma temperatura ambiente (a água não deve ser muito fria) para hidratação das pregas vocais. A presença de ar condicionado e poeiras ressecam a laringe e não permitem que as pregas vocais vibrem adequadamente. Por essa razão é fundamental que elas se mantenham hidratadas e lubrificadas.
Evite o fumo do cigarro pois agride as mucosas das pregas vocais diretamente, ressecando-as e provocando inchaço e irritação, assim como, alterações na qualidade da voz. Para além disso, o tabaco é um dos fatores etiológicos do cancro da laringe.
Não beba bebidas alcoólicas em excesso pois, além de irritarem a mucosa, o álcool atua como um anestesiante e altera as sensações durante a fala. Por esta razão, a pessoa poderá estar a abusar da sua voz sem se aperceber e, só depois do efeito da bebida passar é que se notam os sintomas (ardor, voz rouca e fraca, etc.).
Evite consumir chocolates, leite integral e derivados durante as atividades que exijam a utilização prolongada da sua voz, pois são alimentos ricos em gordura e aumentam a quantidade e viscosidade do muco das estruturas do trato vocal.
Faça refeições leves antes do trabalho, preferindo a ingestão de verduras, legumes e frutas, evitando assim o consumo de alimentos muito condimentados e gordurosos que vão dificultar a digestão.
Mastigue bem os alimentos uma vez que a mastigação, quando efetuada com movimentos amplos é um ótimo exercício para a dicção.
Evite o consumo de pastilhas frescas e/ou à base de menta pois anestesiam a laringe e diminuem perceção dos abusos vocais.
Durante crises alérgicas ou gripes, beba muitos líquidos e limite o uso da voz. As alergias das vias aéreas (como bronquite, asma, sinusite, rinite, etc.) levam, muitas das vezes, ao aparecimento de edemas nas mucosas, tornando as pregas vocais mais sensíveis.
– Quando tiver que falar num espaço alargado ou para muitas pessoas recorra a ajudas como o microfone, de forma a não abusar da sua voz.
Fale sempre direcionado para o público de forma a que a sua voz seja projetada adequadamente.
Inspire sempre pelo nariz de forma a que o ar seja filtrado das poeiras e seja aquecido, para evitar inflamações e irritações na laringe e pregas vocais.
Evite pigarrear e tossir de forma brusca para limpar a garganta. Estes hábitos provocam um forte atrito entre as pregas vocais, podendo lesioná-las. A ingestão de água ajuda a combater o pigarrear.
Evite conversar a sussurrar pois exige um grande esforço das pregas vocais. Opte por uma intensidade adequada e, quando sentir cansaço vocal, prefira repousar a voz ou baixar ligeiramente a sua intensidade.
Utilize os medicamentos com moderação e sempre prescritos pelo seu médico. Alguns provocam o ressecamento das mucosas e podem causar lesões que posteriormente levam a disfonias.

Sabe como está a sua voz? Responda ao questionário! (Terapeuta da Fala Soraia Ibrahim)

E por último mas não menos importante…

1 maçã pela sua voz…